Crítica | Viva – A vida é uma festa

Apaixonado por música desde novo, Miguel é um  garoto que trabalha como engraxate durante o dia  em uma cidade do México e quando o sol se põe, nutri o amor pela música ouvindo as músicas de Ernesto de La Cruz em local de sua casa que serve como o santuário secreto para o famoso ídolo. Assim como o músico, Miguel sonha em construir carreira como cantor cantor e viajar por seu país com suas canções.  Possuindo um talento nato, o garoto não teria grandes complicações, mas a família de Miguel mantém há gerações uma enorme repulsa por música e proíbe que todos os familiares se aproximem de músicas.  Destinado a enfrentar a avó e tentar seu sonho, Miguel faz de tudo para se apresentar na praça durante a festa do Dia dos Mortos.  As peripécias do garoto o fazem ter um passe para o mundo dos mortos, onde além das aventuras, Miguel tem a chance de corrigir os motivos que fazem a família ter tanto ódio da música e também perceber que o famoso ídolo não era exatamente o que tanto adorava.

O gancho para a história pode ser bem familiar para quem acompanha as animações Disney – o personagem central da história vive em conflito para realizar seus sonhos e encontra a solução para seus problemas após partir em uma aventura pelo desconhecido. Viva – A Vida é uma Festa é exatamente isso, mas ganha ponto por retratar a tênue linha entre vida e morte com uma leveza adorável, a ponto de ser entendida por todas as idades.  Além disso,  a animação da Pixar apresenta ao público personagens com potencial de encantar todas as idades – são personagens que se constroem durante a animação e vão aos poucos mostrando sua importância e quando notamos, já estamos em lágrimas.

Trilha sonora –  Assim como em Moana – Um mar de aventuras ,  a animação possui uma trilha sonora original incrível e não era de se esperar menos de uma produção que tem a música como ponto de conflito e equilíbrio.  As canções são fáceis de gravar e ao terminar a sessão,  as melodias e letras continuam ressoando como se fossem algo já escutado várias e várias vezes.

Viva! – A vida é uma Festa já estreou nos Estados Unidos em novembro e  chega aos cinemas brasileiro amanhã, 4 de janeiro. Sem dúvidas, é uma animação que merece todas as atenções e tem tudo para estar entre as indicadas e premiadas com o Oscar de Melhor  Filme Animação e Melhor Canção Original.

Data de Lançamento:                            04 de Janeiro de 2018              Elenco de Voz:                                     Gael García Bernal, Anthony Gonzalez, Benjamin Bratt, Renée Victor  Diretor:                                                 Lee Unkrich Codiretor:                                             Adrian Molina Produtor:                                              Darla K. Anderson

 

Post Author: Vanessa Luckaschek

Formada em Jornalismo pela Universidade Anhembi Morumbi, faz aniversário em Setembro e sempre está lendo alguma coisa. É fã de cinema, games, tecnologia e esportes. Gosta de escrever e sempre está em busca de pautas legais para uma próxima matéria. É editora no Caderno Nerd e responsável pela criação do site.

1 thought on “Crítica | Viva – A vida é uma festa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *