Instabridge | Aplicativo de rede colaborativa é a solução para quem não tem plano de dados

Com a humanidade caminhando para um mundo cada vez mais tecnológico, internet é o novo vício. A próxima geração não conseguirá imaginar o que é viver sem estar conectado a cada segundo. Há três anos atrás, o Brasil era o 65º colocado na lista de países que mais utilizam na internet. Hoje, em 2017, está em segundo lugar no ranking. Às vezes, um clique de distância ainda parece muito. No entanto, há lugares em que o sinal é falho ou não existe, seja por opção dos proprietários, por falta de capital ou pela localização remota.

Pensando nisso, foi criado um aplicativo chamado Instabridge, que possibilita a busca por entrevista Pietrowi-fi mais próximo e sua conexão. A plataforma funciona como uma rede colaborativa de compartilhamento de wi-fi, onde uma pessoa registra a senha de um ponto de internet e a mesma fica disponível para os outros usuários. Além disso, faz um reconhecimento para saber se o wi-fi de fato tem um sinal forte.

Disponível em mais de 230 países, o aplicativo conta com 400 mil pontos de internet só no Brasil e 5 milhões de usuários no país. O usuário Pietro Brugnera,25, é  o terceiro no ranking de pessoas que mais adicionaram redes em São Paulo.   

Para o Android, o app já fornece conexão imediata ao localizar uma rede conhecida. No IOS, é possível que o usuário tenha que fazer a busca da conexão através do wifi do próprio aparelho e solicitar a conexão usando o app.  Para saber mais detalhes do aplicativo, entrevistamos Nathan Ethur, porta voz da plataforma aqui no Brasil. Confira!

CADERNO NERD: Como surgiu o aplicativo?

NATHAN ETHUR: O aplicativo foi desenvolvido para achar e registrar as redes de wi-fi mais próxima. Mas na época foi um boom, teve muitos downloads. E os criados descobriram que a demanda de internet em espaços públicos é muito grande em diversos países. Especialmente no Brasil, onde tem uma dificuldade econômica enorme e serviços caros, então nem todo mundo pode comprar a internet, ter um wi-fi em casa ou ter um 3g ilimitado. No nosso país, 42% da população não tem acesso constante. Eles descobriram que a demanda latente por conectividade é enorme. Tanto que grandes players do mercado da tecnologia como GoogleFacebook etc, buscam constantemente resolver seus problemas para conectar mais gente. Nós tivemos que reformular toda nossa empresa para tentar anular a exclusão digital no mundo. Então o aplicativo é de graça e feito de uma rede colaborativa onde as pessoas participam para ajudar as outras.

CADERNO NERD: Em quais países o aplicativo pode ser usado?

NATHAN ETHUR: Onde tiver rede de wi-fi a gente vai estar lá. Estamos em  231 países, mas o Brasil é atualmente o maior mercado do Instabridge.

CADERNO NERD: Como foi o processo de aceitação e estabilização?

Imagem de demonstração do layout do app
Imagem de demonstração do layout do app

ss4p - Regi‰es

NATHAN ETHUR: O boom foi orgânico, a gente não estava aqui ainda. Mas em 2015 recebemos um projeto financeiro e decidimos expandir para o Brasil. O brasileiro busca muito no Google ‘como ter wi-fi fora de casa’ e coisas assim e somos o povo mais conectado no mundo. Então foi muito rápido, instantâneo. Pra quem gosta de ter um plano B quando seu 3G falha, é uma mão na roda.

O nosso aplicativo para Android é muito mais desenvolvido do que do IOs, pois 95% do nosso mercado é de uso do Android. Tentamos fazer um app completo, mas fácil de usar, desde para o cara que entende de tecnologia até para o leigo.

CADERNO NERD: Como isso modificou a vida das pessoas, em sua opinião?

NATHAN ETHUR: A gente não paga ninguém pra compartilhar rede e nem cobra. A gente estimula que as pessoas façam, assim uma ajuda a outra. Essa força da massa de um ajudar o outro é incrível. Nós temos umas 550 mil de redes registradas no Brasil e foram os usuários que fizeram isso. Então alguém ajuda uma outra pessoa que nem conhece à se conectar a internet numa urgência ou que precisa mandar uma mensagem. É como uma corrente do bem, um vai ajudando o outro sem pensar numa troca.  A gente faz um trabalho no Rio e em São Paulo, junto com um grupo de embaixadores do aplicativo, – que são aquelas pessoas engajadas, que compartilham muitas redes – em que realizamos eventos mensalmente para juntar os usuários como uma forma de agradecimento pelo trabalho que eles fazem. Então a gente junta eles, faz eles se conhecerem, muitos já viraram amigos. É muito bacana essa troca de pessoas que querem fazer o bem pra outras.

Post Author: Carolina Rodriguez

Jornalista recém-formada pela Anhembi Morumbi, 25 outonos. Ariana convicta e fã de astrologia. Leitora compulsiva, geek em tempo integral e cinéfila de carteirinha. Pouca vivência no mundo real e muitas visitas fantasiosas. Gosta de pensar que a vida é uma eterna catarse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *